quarta-feira, 19 de abril de 2017

Boyhood: O Tempo se excedendo pela Cinematografia

Por: Elienae Maria Anjos

post

“Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então.”

(Alice no país das maravilhas, Lewis Carroll)

Mergulhei em um labirinto de reflexões surpreendentes ao identificar a presença marcante do tempo como forte protagonista no filme Boyhood (2014). Um longa-metragem produzido em 12 anos e com filmagens realizadas em 39 dias. Esta belíssima obra foi escrita e dirigida pelas mãos de Richard Linklater. Com certeza durante todos esses anos, não faltaram momentos de cumplicidade, dúvidas e talvez angústias entre os profissionais envolvidos na preparação da história de uma vida que naturalmente experimentou acontecimentos e amadurecimentos perceptíveis pelos anos marcados com belas sequências cinematográficas de Ellar Coltrane, que compartilhou uma parte de sua infância e juventude para dar vida a Mason, o personagem que se evolui ao lado da sua irmã Samantha (Lorelei Linklater), sua mãe Olivia Evans (Patricia Arquette), o pai Mason Evans (Ethan Hawke) e tantas outras pessoas que se tornaram peças importantes no quebra-cabeça de sua vida.

Esta forma espetacular de filmar a passagem do tempo pelo decorrer dos anos, pertence à mente brilhante desse cineasta que tem dividido conosco sua sensibilidade de escrever e filmar uma poesia viva e infindável sobre a vida real. Em seus filmes, não é preciso o uso de maquiagem para criar expressões adquiridas pelos anos, nem é necessário efeitos especiais para visualizarmos físicos se desenvolvendo e cabelos se embranquecendo porque as marcas e os traços surgem naturalmente, sendo assim, os atores compartilham com os personagens as suas características reais. É maravilhoso perceber que não há pressa nos trabalhos de Richard Linklater, e se não há pressa, não há preocupação com o amanhã, tipo, se a morte irá nos parar, porque seus filmes caminham pausadamente conforme o movimento do tempo, entrelaçando a vida das pessoas em seus roteiros e esta forma de fazer a vida ser real em imagens o acompanha desde a produção da Trilogia Before: Before Sunrise, Before sunset e Before midnight.

“Não quero chamar a atenção. Quero tentar viver a vida fora de uma tela. Quero interações reais, com pessoas reais não com uma página de perfil.”

Na rotação dos instantes fundamentais dos cotidianos simples, pude assistir a poesia da existência de Mason escrita em suas experiências que muitas vezes em silêncio ele absorveu pelo olhar…

“Não costumo vocalizar meus pensamentos e sentimentos.”

…Esse olhar que se esforçou em entender, receber e usufruir os passos disponíveis a frente de si mesmo. Se ajustando aos capítulos de seus dias ou anos com porquês que mais se multiplicaram do que se explicaram. Sobrevivendo aos conflitos familiares, às mudanças de lugares, de casas e instituições de ensino, no contato com diversas pessoas e seus mundos de passagens muito rápidas em seu caminhar… De tanto conhecer e aprender sobre a vida mais observando do que falando, Mason descobriu na arte da fotografia uma alternativa eficaz de guardar os milímetros dos segundos de suas emoções e segredos em um diário com momentos paralisados em imagens significativas. Esta é a beleza de Boyhood, o filme que mostra nossa história pelo ângulo das câmeras, ou melhor, suas filmagens me fizeram compreender como somos vistos pelos olhos Deus que acompanha as surpresas que se desenrolam nas vidas de suas criações. Eis aí a Roda Viva que Chico Buarque escreveu e cantou, continuando a ser real e presente no curso natural das dores e das alegrias, e como a letra diz, não podemos pará-la ou controlá-la, pois ela seguirá sempre, levando-nos a conhecer e a enfrentar novos caminhos, não importando qual destino irá nos escolher.

“Parece que o mundo está em algum lugar intermediário. Sem realmente vivenciar nada.”

Se pudermos ser parceiros do tempo, deixando de agir enlouquecidamente em busca de ser diferente do que já somos originalmente, a trilha que prosseguiremos se tornará menos acidentada.

Boyhood nasceu para que não nos esqueçamos da magia da infância que ainda existe em nós e da juventude que ainda vivemos, porque há um mundo de imagens, fatos e aprendizados nos aguardando dentro e fora das realidades do tempo que tem excedido as poesias filmadas e escritas antes mesmo que existíssemos aqui, no agora.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrPin on PinterestEmail this to someone
Sobre o autor

Elienae Maria Anjos

Uma criança-mulher que não quer deixar de crescer na sensibilidade. Que brinca com seus lápis e tintas nas telas palpáveis e visionárias do emocional. Que aprendeu a escrever nos papéis virtuais o que só o diferente entende. Amiga dos livros físicos e humanos. Amante dos pensamentos. Eterna admiradora da Sétima Arte. Apaixonada por lágrimas e sorrisos. Mãe de cinco gatos. Enfim, habito dentro do refúgio que há em minhas escolhas e em tudo o que escrevo, que vai além do meu infinito, mas, em minha varanda emocional há um espaço para quem queira se aproximar...

COMENTÁRIOS

BUSCAR

facebook instagram twitter youtube

Tem uma sugestão?

Indique um post!

NEWSLETTER