segunda-feira, 17 de julho de 2017

Ontem, amanhã ou hoje… tanto faz

Por: Lucas S. Ferreira

post

Hoje eu me lembrei de quando eu, com apenas 4 anos de idade, ficava na janela da minha antiga casa observando ao longe, um trem de ferro que cortava a cidade por volta da hora do almoço. Ficava ali com olhos perdidos imaginando que aquilo era a coisa mais incrível que podia acontecer na Terra.

Me lembro também do meu aniversário, destes mesmos 4 anos, em que minha tia me perguntou como eu queria que fosse o meu bolo de aniversário.

“Eu quero que seja em forma de uma Girafa!”

Não me pergunte por que… o importante é que ele foi um bolo grande e amarelo em formato de uma girafa e que eu mal podia vê-lo, pois eu não alcançava a mesa onde ele estava.

Me lembro de um amigo que morava na esquina e que vinha todas as tardes brincar comigo com uma bola vermelha numa garagem enorme que havia ali na casa.

Me lembro de outro amigo anos depois, que não me lembro do rosto, mas sei que era muito legal e me emprestava os brinquedos dele. Porém um dia ele foi embora…

Para mesma casa onde ele morava, mudou-se outro que era incrivelmente divertido e que hoje fiquei sabendo que tornou-se padre!

Me lembro dos finais de tarde que recusava voltar pra casa porque brincar na rua estava muito mais interessante.

Me lembro do meu primeiro dia de escola. Não chorei.

Me lembro do primeiro dia de ginásio. Esse eu chorei.

Me recordo da minha primeira nota vermelha. E das aulas de recuperação que fiz com um monte de pessoas porque eu era, e ainda sou, péssimo em matemática.

Me lembro de quando me apaixonei de verdade pela primeira vez e de quando realmente briguei com uma pessoa que eu gostava muito.

Me lembro de quando perdi amigos pra vida e pra morte, e me lembro muito mais de quando fiz centenas de outros que permanecem.

Me lembro de quando realizei sonhos e de quando perdi grande parte deles.

Recordo do meu pai escondido atrás da porta fazendo caretas de monstro e vindo devagarinho pegar a mim e ao meu irmão pra nos encher de cócegas.

Me lembro de muitas lágrimas, de muita birra, de muita cara feia, mas também de muitos sorrisos e abraços…

Me lembro também quando deixamos nossa casa por motivos ruins, e de quando tudo mudou e eu achei que ia ser impossível começar de novo, no entanto, começamos de novo e tudo foi melhor do que antes.

Me lembro do medo de começar a faculdade e de ninguém gostar de mim ou eu não gostar de ninguém. E hoje morro de saudades de todos, sem exceção.

Me lembro de ontem, de amanhã ou de hoje… tanto faz, o importante é que me lembro de quem eu sou e das coisas que me fizeram pertencer a mim mesmo.

Sei que tudo isso e muito mais só somou a minha história e a pessoa que eu me tornei.

E ainda penso agora que não importa quantos anos ainda tenho adiante, eu sei que muitas coisas ainda vão acontecer, e que serei diferente amanhã.

Mas minha essência vai ser única até o final.

Isso é viver…

Pare agora e pense… escreve aí embaixo vai, por favor, qualquer memória da qual se lembre e que faz parte dos encaixes perfeitos que só pertencem a sua vida e de mais ninguém!!

Estarei aguardando, abraços sempre…

 

https://www.lucasferreirapsicologia.com/

https://www.facebook.com/lucasferreirapsicologia/

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrPin on PinterestEmail this to someone
Sobre o autor

Lucas S. Ferreira

Mineiro, Psicólogo por formação, escritor por insistência, desenhista por hobbie e pianista por não ter mais o que fazer!

COMENTÁRIOS

BUSCAR

facebook instagram twitter youtube

Tem uma sugestão?

Indique um post!

NEWSLETTER