sexta-feira, 13 de outubro de 2017

10 filmes para repensar a educação

Por: Genialmente Louco

post

 

Mais do que entreter, alguns filmes têm o poder de inspirar. Ainda mais quando o assunto é educação. Produções nacionais e internacionais vão além do questionamento do modelo tradicional de ensino e convidam para uma reflexão sobre o papel do professor, do aluno e do sistema educacional. Prepare a pipoca – e um caderninho de anotações -, e confira os dez filmes que selecionamos sobre o tema:

 

1 – Quando sinto que já sei

maxresdefault

Custeado por meio de financiamento coletivo, o filme registra práticas inovadoras na educação brasileira. Os diretores investigaram iniciativas em oito cidades brasileiras e colheram depoimentos de pais, alunos, educadores e profissionais.

Duração: 78 minutos

Ano de lançamento: 2014 (Brasil)

Direção: Antonio Sagrado, Raul Perez e Anderson Lima

 

2 – A Educação Proibida

maxresdefault (1)

Gravado em oito países da América Latina, o documentário problematiza a escola moderna e apresenta alternativas educacionais em mais de 90 entrevistas com educadores. O filme é independente e foi financiado de forma coletiva.

Duração: 145 minutos

Ano de lançamento: 2012 (Argentina)

Direção: German Doin e Verónica Guzzo

 

3 – Pro dia nascer feliz

maxresdefault (2)

O filme mostra o cotidiano permeado de desigualdade e violência de jovens de quatro escolas públicas brasileiras, em Pernambuco, São Paulo, Duque de Caxias e no Rio de Janeiro.

Duração: 89 minutos

Ano de Lançamento: 2006 (Brasil)

Direção: João Jardim

 

4 – Além da sala de aula

518617

Baseado em fatos, o filme narra a trajetória e os desafios enfrentados por uma professora recém-formada em uma escola temporária para sem-tetos nos Estados Unidos.

Duração: 95 minutos

Ano de lançamento: 2011 (EUA)

Direção: Jeff Bleckner

 

5 – Sementes do nosso quintal

sementesdonossoquintal

A infância é o tema central do documentário, que foca no cotidiano da Te-Arte, uma escola infantil inovadora que foca no estímulo da criatividade infantil, e na trajetória da idealizadora Thereza Soares Pagani.

Duração: 115 minutos

Ano de lançamento: 2012 (Brasil)

Direção: Fernanda Heinz Figueiredo

 

6 – Quando tudo começa

quandotudocomeca

Em meio à miséria e à indiferença do governo francês, um professor de uma escola pública se envolve com as situações vividas pelas famílias das crianças e protesta contra as políticas sociais do país.

Duração: 117 minutos

Ano de lançamento: 1999 (França)

Direção: Bertrand Tavernier

 

7 – Paulo Freire – Contemporâneo

Paulo-FREIRE-Foto-em-1993-em-Angicos

Entrevistas com familiares, pedagogos e o próprio Paulo Freire apresentam o pensamento e a atemporalidade do método de alfabetização do educador.

Duração: 52 minutos

Ano de lançamento: 2006 (Brasil)

Direção: Toni Venturi

 

8 – Tarja Branca

048221.jpg-r_640_360-f_jpg-q_x-xxyxx

Tratado com seriedade, o direito de brincar é o tema deste documentário, que aborda o conceito de “espírito lúdico” e convida para a reflexão do desenvolvimento do homem adulto.

Duração: 80 minutos

Ano de lançamento: 2014 (Brasil)

Direção: Cacau Rhoden

 

9 – Entre os muros da escola

entre-os-muros

Uma sala de aula na periferia de Paris simboliza o choque cultural presente na França contemporânea: François Marin, um professor francês, busca formas de se aproximar de seus estudantes asiáticos, africanos, árabes e franceses. O longa é baseado no livro homônimo de François Bégaudeau, protagonista da narrativa.

Duração: 130 minutos

Ano de lançamento: 2008 (França)

Direção: Laurent Cantet

 

10 – Mitã

img_2186

Educação, espiritualidade, tradição e cultura da criança se misturam na narrativa, inspirada pelos pensamentos de Fernando Pessoa, Agostinho da Silva e Lydia Hortélio.

Duração: 52 minutos

Ano de lançamento: 2013 (Brasil)

Direção: Lia Mattos e Alexandre Basso

 

Fonte: Revista Educação.

 

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrPin on PinterestEmail this to someone
Sobre o autor

Genialmente Louco

“Loucos são apenas os significados não compartilhados. A loucura não é loucura quando compartilhada.” Zygmunt Bauman.

COMENTÁRIOS

BUSCAR

facebook instagram twitter youtube

Tem uma sugestão?

Indique um post!

NEWSLETTER