segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Por que eu NÃO DESEJO a você que TODOS OS SEUS DESEJOS SE REALIZEM

Por: Talita Dantas

post

Muitas vezes eu vejo anúncios de colegas coaches questionando o interlocutor se ele já imaginou alcançar tudo o que sempre desejou. Desde já eu peço desculpas aos colegas pela confissão que farei a seguir. Não se chateiem! Entendo que é força de expressão, mas não consigo deixar de gargalhar quando alguém, coach ou não, me deseja (nestas ou noutras palavras) “que tudo se realize no ano que vai nascer”!

E eu explico o porquê. Quando tive uma grave depressão, dez anos atrás, uma arma potente para melhorar meu estado de espírito era um desenho chamado “Os padrinhos mágicos”. Resumindo bem a história, o Timmy, personagem principal, tinha um casal de fadas, Cosmo e Vanda, que realizava tudo o que ele desejava.

O problema era que Timmy nunca tinha consciência plena quanto às decorrências de seus desejos e, invariavelmente, dava treta! Daí ele ficava que nem doido tentando desfazer o desejado.

Não sei se gravaram outros episódios depois, mas os que existiam naquela época eu vi todos. Eram momentos super divertidos ao lado do meu filho (que tinha 7 anos) os quais, sem dúvida alguma, fizeram muita diferença na melhoria do meu quadro depressivo.

Eu acho que eu ria tanto, porque me identificava com muitos dos desejos do Timmy. Uma vez, ele desejou, por exemplo, que só existisse sobremesa (quem nunca?). Todas as comidas viraram sobremesa! Nada de alface, acelga, quiabo, jiló, pequi… Só so-bre-me-sa!

No início, a galera ficou pilhadona, com se tivesse usado uma daquelas drogas que o povo adora tomar em rave (um dia a gente vai admitir que açúcar é droga. Um dia, quando o lobby da indústria açucarada não for tão forte).

Só que esse efeito energizante durou pouco. Logo todo mundo da cidade de Dimmsdale estava tão obeso que já não andava. Só rolava. E bem devagar. Inclusive os padrinhos mágicos, que não conseguiam alcançar a varinha para atender ao pedido de desfazimento do desejo.

Daí o Timmy teve que rebolar pra conseguir alcançar a varinha, antes que a Terra fosse engolida pelo sol (vai vendo!). Era o que ia acontecer, em virtude de as pessoas terem engordado tanto que tiraram o planeta de órbita (kkkkk, tem hora que eu invejo a criatividade dos criadores de desenhos)!

Muito genialmente, a cada episódio, lições deliciosas eram saboreadas. Foi sensacional ver o Timmy louco para desfazer o pedido de que no mundo vivessem só ele e a garota por quem ele era apaixonado, ao descobrir que “só nós dois” não era tão legal assim.

Igualmente genial a sacada de fazer a Trixie, o alvo da paixão, ficando louca, porque tinha uma vaidade extrema a qual era alimentada por quase todos os meninos da escola, que viviam a dizer que ela era linda. Como o Timmy sozinho não era capaz de saciar a vaidade da moça, o jeito foi fugir da doida que queria que ele repetisse a cada segundo o quanto ela era linda.

Desenho pra gente pequena, ensinamentos de gente grande (ou pra gente que quer crescer)! A lição central, reiterada em todos os episódios, “cuidado com seus desejos”, a vida faz questão de relembrar senão pra todos, pra quase todos nós.

Não raro, vejo pessoas deprimidas não por falta de realização de seus desejos, mas justamente pela frustração das expectativas que julgaram que alcançariam quando tais desejos fossem satisfeitos. Ou pelo fato de perceberem que, no plantio, semearam algo que não conheciam muito bem e agora não querem lidar com os frutos.

Alguém que muito admiro, a professora Lúcia Helena Galvão, alerta logo no princípio de sua palestra sobre administração do tempo que, muitas vezes, a pior coisa que pode nos acontecer é alcançarmos esses desejos irrefletidos.

Nada contra a realização de todos os seus desejos. Só procure ter certeza de que todos os seus desejos são mesmo desejáveis. E como, ainda que você tenha toda a cautela do mundo na busca por essa clareza, ainda assim remanesce o risco da decepção, em vez de que todos os seus desejos se realizem, eu desejo que você tenha humildade para reconhecer quando seus desejos não são tão legais quanto você tinha imaginado; serenidade, para não desistir quando perceber que trilhou por longo tempo um caminho que deu num beco sem saída; coragem, para que você possa voltar na trilha e buscar caminhos novos; amigos sinceros que lhe apoiem na jornada; e, acima de tudo, lhe desejo sabedoria. Porque, de tudo, o que vale é o aprendizado.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on TumblrPin on PinterestEmail this to someone
Sobre o autor

Talita Dantas

Apaixonada por desenvolvimento humano, filosofia e escrita criativa. Advogada, coach e mediadora de conflitos, acredita verdadeiramente no diálogo como via para construção de uma sociedade mais livre, justa, solidária e colaborativa. Define a si mesma como uma flor no asfalto.

COMENTÁRIOS

BUSCAR

facebook instagram twitter youtube

Tem uma sugestão?

Indique um post!

NEWSLETTER